A importância da gestão nas pequenas empresas

Quando diante de um novo desafio, o caminho mais natural é conhecer ou tentar ter uma noção aproximada do que nos cerca; isso Independentemente da sua empreitada, essa é uma lição básica. No caso da gestão da pequena empresa, onde os recursos (de todas as ordens), não são tão abastados, olhar para fora e ter a empresa em suas rédeas é um movimento essencial.

 

O “pequeno gestor” pode se colocar em grandes dificuldades quando não der atenção ao planejamento estratégico da empresa e ao passo disto não criar métricas para acompanhar e apurar a evolução e andamento da sua empresa. Por isso, nós já mostramos aqui no blog a importância do estoque, precificar corretamente os seus produtos e também de canais para ampliar a sua capacidade de venda; no entanto nada disso terá valia se sua gestão não for eficaz e eficiente.

Sendo assim, sabendo desta importância, serão apresentadas aqui algumas considerações sobre o processo de gestão da empresa e como utilizar isso no seu dia-a-dia para que seja feita as análises de mercado.

 

Matriz ou análise SWOT

 Essa é uma ferramenta utilizada no mundo do marketing, mas sua versatilidade e “simplicidade” o tornam aplicável para todas as etapas do negócio: a análise SWOT. A sigla junta algumas percepções como suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças perante o mercado.

Onde pode-se estabelecer as seguintes considerações sobre cada uma delas:

  • Forças: Destaca tudo aquilo que a sua empresa e seus principais concorrentes têm de mais forte e agregar maior valor. Perguntas como: No que sua empresa e/ou equipes são fortes? Seus produtos? Preço? Atendimento? Como posso tornar-me ainda mais forte frente ao concorrente? E o concorrente o que faz de melhor? Como posso me destacar dele nisto? Ajudam a identificar pontos de melhora operacionais e organizacionais para que possam ser trabalhados.
  • Fraquezas: Assim como nas forças é preciso ver o que não está funcionando e que são falhas que podem estar engessando a sua organização, fazendo perder vendas ou até mesmo drenando patrimônio. Ninguém quer admitir que não se é bom em algo, mas ganha-se muito fazê-lo visando a estratégia e organização da empresa.
  • Oportunidades: A palavra por si só já diz o que é. Cabe então ao gestor/empreendedor identificar essas oportunidades a tempo para antever ações comerciais ou processos de mudança antes mesmo de seus concorrentes. Aqui é como ganhar espaço em um mercado cada vez mais competitivo.
  • Ameaças: São os riscos inerentes ao mercado e negócio. Atualmente temos um cenário de alta sazonalidade e variação que podem fazer com que investimentos sejam bons numa manhã e na outra do dia seguinte não. Veja que estamos sempre cercados por ameaças, mas gerir o risco e identificar as oportunidades que há neles é que destacam as empresas maduras e sólidas.

Com base nisso é possível aplicar um processo de melhoria contínua em sua empresa e passará a ser algo natural rever todos os outros itens da análise SWOT.

A gestão de pequenas empresas traz desafios próprios de negócios que lutam diariamente por sobreviver e crescer. Esses desafios, porém, não podem impedir a empresa de estruturar uma gestão que favoreçam os negócios.

Para que a sua empresa possa se destacar na gestão vale também considerar o seguinte:

 

Investir na gestão de pequenas empresas

É preciso compreender uma realidade: toda empresa pode ter sua gestão aprimorada. E isso se deve a 2 motivos principais.

  • As empresas, como já dito anteriormente, em função da dinâmica do mercado e sua competitividade, das pessoas e dos objetivos organizacionais, sofrem mudanças continuamente, e isso exige sempre uma verificação se a atual gestão está coerente com o nicho de mercado ao qual se está inserido, bem como se está condizente com os modelos/práticas/normas vigentes, disto vem a oportunidade de melhora e mudança;
  • Os métodos e modelos de gestão empresarial são continuamente aprimorados, além de novas propostas que surgem, e isso permite às empresas gerenciar de uma maneira mais atual, dinâmica e adequada.

Por esse motivo é fundamental entender que toda empresa pode (e deve) investir continuamente em sua gestão.

Vale ainda lembrar que, além das próprias práticas de gestão que estão em contínua evolução, também a tecnologia caminha nessa direção. E por isso há o surgimento de ferramentas e soluções que permitem gerenciar de forma mais produtiva e assertiva.

Para melhor ilustrar o que significa investir na gestão de pequenas empresas, temos o seguinte:

  • Ter maior controle sobre as informações, documentos e atividades;
  • Mapear e revisar os processos de trabalho;
  • Possuir e utilizar sistemas e softwares de gestão empresarial;
  • Definir políticas que favoreçam o desenvolvimento do negócio;
  • Reduzir e controlar os gastos operacionais;
  • Melhorar a definição dos cargos e funções;
  • Criar indicadores de desempenho;
  • Entre outras ações importantes.

Conforme uma empresa aprimora sua maneira de gerenciar e criar meios de capacitação contínua de seus colaboradores os resultados aparecem e o investimento logo identificado. Contudo é preciso fazer uma ressalva aqui: uma boa gestão não apenas melhora o dia-a-dia do negócio, mas impacta diretamente e positivamente no resultado financeiro da empresa; pois não se cresce e melhora neste pilar, mas também nos seus serviços, atendimento e qualidade de produtos.

Outro fator fundamental que justifica o investimento na gestão de pequenas empresas é o quanto uma gestão bem estruturada e executada auxilia a manter uma empresa saudável mesmo em tempos de crise.

 

Avaliando a gestão da pequena empresa

O primeiro passo para garantir uma boa gestão da pequena empresa é olhar ela de fora e de forma fria e analítica poder responder e entender em qual situação ela se encontra atualmente. Nesta abordagem podemos dizer que é esclarecer:

  • Quais são os objetivos da empresa e como ela deve ser estruturada para que seja possível alcançá-los?
  • Quais são os gargalos?
  • Em quais áreas e departamentos há maior deficiência e quais são elas?
  • O quão disposto estou em melhorar essas coisas?
  • Em quanto tempo quero resolver isso?

Uma empresa que possui toda uma estrutura gerencial de qualidade, mas não sabe como proceder para crescer nos próximos anos, corre sérios riscos de sobrevivência, além de “perder sua identidade” e deixar de atender corretamente os seus clientes e parceiros. Logo, pode-se dizer que é um conjunto de fatores que garante a uma empresa que essa seja bem gerenciada. A administração interna (processos, pessoas, financeiros), mas também a gestão e a estratégia de crescimento no mercado.

 

 

Por onde começar para fazer uma boa gestão

 A seguir seguem algumas dicas de como fazer uma boa gestão empresarial em uma pequena e/ou microempresa onde essa visa o foco em alavancar os resultados:

 Fazer uma modelagem da gestão: pense de forma simplificada em um primeiro momento e atente-se em observar estes sete passos:

  • Fixar o objetivo da sua empresa;
  • Elaborar a estratégia de mercado e como atingir o objetivo fixado;
  • Definir/estabelecer quais são as prioridades;
  • Desenvolver-se e também aos seus colaboradores;
  • Desenhar a organização, definir os papéis, responsabilidades e a “ocupação” dos espaços;
  • Alocar os recursos financeiros e pessoais para a realização do objetivo definido;
  • Estruturar como será feito o acompanhamento das ações necessárias.

São “simples”, mas que podem trazer uma mudança muito grande no modo como você sua empresa e principalmente a forma como essa estará inserida no mercado.

Manter a equipe “acesa”, motivada: envolva a equipe e envolva-se com ela, pois a premissa básica aqui é que não se pode fazer tudo sozinho. “Onde todos remam na mesma direção há resultado. ”

Elaborar planos de ação: Quando se faz a modelagem da gestão, de certa forma, está se fazendo a elaboração do primeiro plano de ação, entretanto é preciso neste ponto definir de forma factível e realizável quais são as reais ações a serem postas em prática primeiramente, seus responsáveis e os respectivos prazos pra que isso ocorra.

Utilizar um software de gestão tipo Enterprise Resource Planning (ERP): O uso do ERP reduz os custos, automatiza processos e facilita a assertividade das decisões, tudo isso em tempo real e já integrando os múltiplos setores da empresa.

Resolver os problemas: Assim como na vida, na vida empresarial, problemas surgem! E um negócio tende a “afundar”, quando os problemas se acumulam ou não são tratados com a devida urgência que cabe em cada situação. Você deve resolver todos os problemas que surgirem, um a um.

 

Evidentemente que cada empresário sabe o que é melhor para sua empresa, mas nós da GVM estamos aqui para ajudar com ferramentas que tragam dinamismo, informações, métodos de controle e gestão para ela.

Entre em contato conosco e saiba mais sobre nossos produtos e em como podemos ajudar a gerir o seu negócio.

 

 

Fontes

Administradores, IntelliPlan, Guia Empreendedor

 Imagens

naulicreative, rawpixel.com