Gestão orçamentária, fundamentos e importância

Não é raro que as atribulações e desafios do dia-a-dia fazem com que o empresário deixe de lado, mesmo que por um instante, a gestão financeira do seu negócio. Isto acontece, em muitas das vezes, por crer que ter uma boa visão financeira do seu negócio é sinônimo de horas e horas tentando entender diversos relatórios que só um contador experiente seria capaz fazê-lo. Temos algo importante a lhe dizer sobre isso: essa é uma visão muito equivocada!

 

A tecnologia da informação vem para ajudar neste processo onde consolida a maioria das informações referentes ao teu negócio, isso desde os processos de entrada de mercadorias e gestão de estoques, já mencionamos também sobre a importância da atenção ao fluxo de caixa, a gestão nas pequenas empresas, em como se pode alcançar novos clientes com soluções informatizadas e outros tantos assuntos relacionados ao empreendedor.

Então você deve estar se perguntando: certo, mas por que então este artigo está falando sobre gestão orçamentária?

A resposta é: porque isso tudo está conectado a isso!

Para que seja mais prático e claro essa primeira abordagem vamos colocar da seguinte forma: se não souber a quantas anda a saúde da sua empresa, nos aspectos de mercado e financeiro, convêm tomar quais tipo de decisões estratégicas? Preciso mudar algo? O que mudar? Quanto investir? Tenho este recurso disponível? Se não tenho, quando poderei ter? Quais riscos? Qual é o meu público alvo? Como fazer isso tudo? Se não houver uma gestão orçamentária é improvável que consiga responder a mais de três perguntas vitais listadas anteriormente.

Então vamos a teoria.

O planejamento orçamentário é um exercício de imaginação, inicialmente, de quanto a empresa faturará e gastará em um determinado período.

Logo você terá uma ferramenta que balizará as respostas daquelas perguntas.

Mas de onde vem as informações para que se possa fazer este planejamento? Como se faz?

Apesar de parecer algo complexo, não é! Precisa apenas de um pouco de atenção, organização e principalmente de informação sobre a empresa.

A seguir vamos apresentar uma prévia do que usará para que possa começar a fazer um planejamento orçamentário.

 Não é complicado, basta um pouco de boa vontade.

 

DRE e fluxo de Caixa amigos inseparáveis

 Os dois principais relatórios que usará para gestão financeira e captação de algumas informações para análise são o DRE – Demonstrativo de Resultado do Exercício e o fluxo de caixa.

O DRE lhe dará uma visão contábil do que aconteceu com a empresa – serve principalmente para que entenda o passado dela. Por sua vez, o fluxo de caixa, lhe mostrará o impacto futuro dos pagamentos e recebimentos da sua empresa.

Tanto um como o outro são igualmente importantes e complementares. Uma boa gestão orçamentária depende destas informações. Contudo, é sabido que a vida de gestor não é simples e há muitos aspectos a serem vistos; sendo assim, se você não tiver tempo para ver estes relatórios com a atenção que se deve, dê preferência ao fluxo de caixa. Uma empresa pode quebrar por falta de gestão de fluxo de caixa, mas dificilmente quebrará por falta de gestão via DRE caso ela tenha uma boa gestão de caixa.

 

Lembre-se que você não precisa ser um expert em finanças e nem passar a metade do mês lendo relatórios, basta um pouco de dedicação e reservar um tempo para pensar como empresário e não apenas como “funcionário”.

 

Conforme estes relatórios passem a fazer parte do seu dia-a-dia é importante ir buscando incorporar os demais conceitos que serão abordados mais profundamente futuramente. Por hora, este é um bom começo!

Com o passar do tempo você perceberá que ler os relatórios é a tarefa mais fácil. O mais árduo é organizar toda essa informação e por isso um sistema de gestão pode lhe ajudar muito; por isso nós da GVM estamos sempre à disposição para ajuda-los neste processo. Entre em contato conosco para conhecer nossos produtos e soluções.

 

 

 

Fontes

Administradores, Valor PME, Endeavor

 

Imagens

Dooler, BearFotos